quarta-feira, 26 de agosto de 2009

-

(...)
tava cedo ainda, eu tinha acabado de chegar em casa, nem tinha terminado o por do sol, eu estava de shorts ainda, o gosto do trident de melancia ainda estava na minha boca, estava ventando, mais eu estava lá, de shorts, blusinha, chinelo havaianas, cabelo solto com meu mp3 pendurado, parecia uma moleca, era sabado, estava bem, eu tinha acabo de ver o Thalles, fazia mais ou menos 1h30 que agente tinha se visto, eu ia para casa tomar banho, e depois agente ia sair de novo. Thalles era um cara bem bacana, gostava dele, não era alto, era forte, gostava de gente forte com a mão grande, me atraia, agente saia as vezes, quando agente nao tinha nada para fazer agente se via tambem, era sem compromisso, não era só sexo, era alguma coisa que agente estava descobrindo juntos, e tava sendo legal isso, eu não falava que ele era meu namorado, porque não era, conhecia minha mãe, eu conhecia a mãe dele, mais agente nao era namorados. Eu coloquei o pé em casa, eu vi a minha mae branca, você nao sabe o que aconteceu, nossa que bom que vc está bem, ela dizia, eu fiquei com o coração na mão, eu nem estava entendendo nada, eu estava com um lado do fone de ouvido colocado, e o som estava alto, que que aconteceu mãe? o Thalles...o que que tem mae? ela nao falava, isso me irritava, minha mae sempre gaguejava ao contar alguma noticia ruim, isso foi me encomomando, o que que o Thalles tinha haver com a inquietação da minha mãe ? aqueles olhos fundos, começarao a encher de lagrimas, e eu sem saber, começei a ficar desesperada, fala caramba, que que tem ele ? Ele bateu o carro, ele bateu o carro feio, faz mais ou menos meia hora, bateu de frente com um caminhão, filha...ele morreu na hora, como é? eu fiz uma careta e meus olhos encherao d'agua, o que vc disse? Filha, eu sei que é dificil, eu to aqui para te ajudar, não mãe, você não entendeu, como assim ele bateu o carro? Não faz nem 2h que eu vi ele, é eu sei filha, minha mãe chorava muito, a mae dele ligou, tentou ligar no teu celular e vc não atendia, eu estava pasma, branca, sentei, começei a tremer, peguei meu celular no fundo da bolsa grande, maltidas bolsas grandes, e vi 7 chamadas não atendidas, maldito mp3 que não deixa escutar qnd o celular toca, o fone ainda estava no meu ouvido, justamente nessa hora começou tocar aquela musica do Skank - ... mais qnd eu estiver morto, suplico que não me mate, dentro de ti... - aquilo me matou, Thalles gostava daquela musica, eu tambem gostava, era gostosinha a melodia dela, ele ficava cantando para mim ela enquanto dirigia, eu nunca entendi a letra, mais agora eu entendia, aquela parte me matou, junto com o Thalles, ele levou uma parte gigantesca de mim, droga, porque eu não atendi o telefone ? será que iria adiantar algo? droga o que eu vou fazer sem ele ? nossas musicas, nossas manias idiiotas, ele tinha muitas manias, pessoas assim não podem morrer desse jeito, não o Thalles, nao o meu Thalles, eu fiquei sentada na cadeira, com a musica tocando, e eu borrando toda minha maquiagem, foda-se a maquiagem, para que caprichar agora sem o meu Thalles para elogiar? de que adiantava agora as musicas, o por do sol, o trident de melancia, sem ele para compartilhar, eu olhava para minha mãe, nem conseguia enxergar, as lagrimas ocuparam toda visao, é mentira né mãe? fala para mim que vc ta brincando, e que ja ja eu vou abraçar ele, minha mae sentou do meu lado e me abraçou, sinto muito filha, sinto muito, ela ficou abraçada um tempão chorando comigo, eu ainda nao tinha entendido, eu chorava pq sabia o que tinha acontecido, mais eu pensei que poderia ser mentira, sabe agente sempre mente para nós mesmos, anoiteceu, eu continuava nao acreditando e chorando, eu ainda estava de shorts, chinelo havaianas e cabelo solto, o gosto do trident de melancia já tinha ido embora faz tempo, eu soluçava, eu fiquei sentada la fora, esperando ele chegar, com os olhos vermelhos, rezando para que aquele carro vermelho virasse a esquina da padaria, as vezes eu sentia ele chegando, quando o vento batia forte nas arvores e bagunçava a merda do meu cabelo, eu sentia ele ali, rindo de mim porque meu cabelo só ficava embarassado, eu fiquei lá, sozinha, sentada, com o mp3 ligado, esperando ele, chorando, e tentando entender o fim daquele sabado .


sem motivos especificos para esse texto.
apenas uma cronica que criei enquanto estava sentada na livraria,
hoje a tarde na hora do meu almoço=)

5 comentários:

Grazy disse...

[...]
as lagrimas ocuparam toda visao, é mentira né mãe? fala para mim que vc ta brincando, e que ja ja eu vou abraçar ele
[...]

;(

Hosana Lemos disse...

o.o'

MEU DEUS!
eu tô até agora arrepiada!

que triste, lindamente triste.

Thales não era pra ter morrido
=/=/
oowww!!


bjos

Daniela Filipini disse...

nossa, doeu aqui dentro x:
só de imaginar.. ficou lindo, lindo e tristee!

CRis GaRcia disse...

Não ficou lindo :(
Ficou muito triste..e dueu até aqui no peito.!
Só de imaginar.

Bom texto pra refletir :)

beijoooo*-*

Lii disse...

o.o arepio nos pelinhos dos braços.